terça-feira, 17 de agosto de 2010

Uma estorinha da Júlia

Hoje,17 de Agosto, é o aniversário da nossa querida colega Júlia Biló.Com abraços de parabéns,desejamos-lhe as maiores felicidades.Dela é o conto que se segue, para os avós lerem aos seus netinhos:

A Joana e o cão Damião e o gato Damiau
A Joana foi brincar para o parque com outras meninas e meninos da sua escolinha.
Também foram duas professoras.
Havia no parque muitos mais meninos e meninas que andavam de balouço, andavam no escorrega e também andavam a correr , a jogar às escondidas e a jogar à bola.
As professoras vigiavam para que nenhum caísse nem se magoasse.
A certa altura a Joana viu um cãozinho pequenino, com um focinhito muito lindo, mas muito triste.
A pequerrucha deixou o balouço e veio fazer uma festinha ao cachorrinho. 
Uma professora disse:
-  Cuidado, Joaninha, que o cão pode morder.
A Joana respondeu:
- Ele ainda é pequenino.
Então o cachorrito lambeu a mão da Joana e fez:
- Béu, béu !
- Que engraçado - disse a Joana para a professora – o cão disse que se chama Damião.
A professora sorriu e outros meninos e meninas vieram brincar com o Damião que voltou a fazer  :
- Béu, béu !
A Joana disse então para os amiguinhos:
-  O Damião diz que anda perdido.
- Béu, béu ! Béu, béu ! – repetiu o Damião.
- E diz que não sabe do seu amigo .
- Quem é o teu amigo? - perguntou-lhe a Joana.
- Béu, béu !
- Ele diz que é o Damiau.
- E quem é o Damiau? – perguntaram os amigos da Joana.
O cãozinho respondeu :
- Béu, béu ! Béu béu !
-  O Damião diz que o Damiau é um gatinho branco com quem ele gosta de brincar -  explicou a Joana.
Os meninos e meninas começaram a procurar pelo parque o tal gatinho branco,  enquanto iam chamando em voz alta: 
- Damiau ! Damiau !
As professoras olharam uma para a outra e abanaram a cabeça, porque acharam muito estranho que só a Joana entendesse o que o cão dizia quando fazia :  “Béu, béu” .
E então perguntaram :
- Ora diz lá, Joaninha, tu entendes mesmo o que o cão diz? 
Antes da miudita responder, o Damião voltou a fazer :
- Béu, béu ! Béu, béu !
A Joana riu e explicou:
- O Damião diz que eu o entendo, porque ele me deu um beijinho na minha mão.
E lá vai ela correr e a chamar : - Damiau ! Damiau !   seguida do Damião com o seu  -  Béu, béu ! Béu, béu !
As professoras também correram e, rindo como as crianças, chamavam pelo Damiau.
E  não é que nessa altura apareceu um gatinho pequenino, todo branquinho como um novelo de lã, com uns olhos grandes muito verdes, que correu direitinho para o Damião e, depois de um grande abraço,  rebolaram ambos na relva muito felizes .
Depois levantaram-se e o Damião fez : - Béu ! Béu! .
O Damiau fez : - Miau ! Miau!
E a Joana disse: 
- Agora vão para casa.

Então, as meninas e os meninos, as mães e os pais e avós e professoras, que estavam no parque e acharam muita graça ao Damião e ao seu amiguinho Damiau desataram a bater palmas.

Postado por Lelo Brito

12 comentários:

Júlia Ribeiro disse...

Viva, Lelo!
Só um bom Amigo me poderia oferecer tão bela prenda de anos .

Bem haja.
Um abraço
Júlia

Anónimo disse...

QUERIDA JULINHA,
Gostava de ser avó para ler aos meus netos a sua encantadora estorinha.
Parabéns pelo aniversário e votos de muita felicidade.

Uma colega amiga

Anónimo disse...

De parabéns estamos nós todos.Mas bonita,bonita, é a Joana.
Um raparigo do seu tempo.

Júlia Ribeiro disse...

Obrigada à minha colega e amiga que, apesar de anónima (dá menos trabalho nos comentários, não é?) , apesar de anónima, dizia eu, sei quem é.
Obrigada ao amigo anónimo que achou a Joana bonita. Eu sou suspeita, pois sou a avó, mas a Joana é "um raparigo lindo com'ó sol".
Era assim que se dizia na Corredoura.

Abração
Júlia

Maria Lucinda disse...

Querida Júlia,
Ainda há pouco falei contigo e já te dei os parabéns mas não esperava que nos regalasses com esta prenda.
Escrever para adultos não é fácil! Mas que talento não é necessário para conseguir passar uma mensagem a uma criança! E tu tens esse dom porque as tuas mensagens conseguem acordar a «criança» que há em todos nós.
Eu sempre soube que tinhas dentro de ti um grande valor e generosidade.
Obrigada e um grande abraço de parabéns e amizade.
Maria Lucinda

Anónimo disse...

Professora, avó e moncorvense Júlia:
1- a Joana come a pápa?
2- o damião é um cão de fora?
3- o damiau tem medo da água fria?
4- o damiau e o damião estão num teste das novas oportunidades?
5-as professoras estão num teste de avaliação?

um leitor da sua obra

Júlia Ribeiro disse...

Olha a Lucinda! A minha amiga Luci também veio visitar-nos! Obrigada pelas tuas palavras e sobretudo pela tua amizade.

Um beijinho
Júlia

PS. O livro de que tenho ideia de termos lido à socapa, creio que tinha por título "As pobres Susanas" .
Ainda recordo que chorávamos que nem Madalenas, porque a Susana, menininha violada aos 13 anos, infelicíssima, depois de muitas cenas muito tristes, acaba por se suicidar. Um romance de faca e alguidar ! ( A capa do livro de Geografia a cobrir a capa do romance ). Julgo que era do mesmo autor das tais "Ingénuas" de que fala o Zé Alfredo.

Anónimo disse...

As pobres Susanas : romance / Manuel Bernardo de Campos Pereira

AUTOR(ES): Pereira, Manuel Bernardo de Campos

PUBLICAÇÃO: Porto : Lelo & Irmäo, 1936

DESCR. FÍSICA: 374 p. ; 19 cm


Não li,mas vou ler.

Júlia Ribeiro disse...

Ora, e sem mais delongas, vamos lá responder às questões colocadas por um anónimo muito amável, a quem agradeço a leitura dos meus livrecos:

1. A Joana come a papa, sim senhor:
2. O Damião : um cão só com as qualidades dos canídeos e sem qualquer defeito dos humanos, dorme na paz dos justos, pois acredita que já teve - e aproveitou - todas as oportunidades:
3.e 4. O Damiau gosta é do colinho da dona e está-se muito felinamente nas tintas para quaisquer "novas oportunidades" que uns pingaréus amorcegados andam p'raí a armar ao pingarelho; (linguagem camiliana);
5. As professoras gostariam de poder dormir "um soninho descansado" e apelidar de supinos asnos a quem rompeu e corrompeu todas as formas de avaliação que já existiram e trouxe para as escolas este estultilóquio .(Não sei se é Camilo ou Aquilino, mas garanto-vos que é verdade).

Creio que respondi às perguntas formuladas.

Abração
Júlia


PS - E cumprimento também o outro anónimo que até sabe o nome do autor dos livros que todas as meninihas de há uns 55/60 anos líam
às escondidas.

Mais um abraço
Júlia

Anónimo disse...

Quando era raparigo ,também li os mesmos livros.Chorava baba e ranho com o que acontecia aquelas ingénuas (era assim que se dizia).A realidade era outra ,a nossa Susana era (é)linda e as manas,as manas à janela e nós a suspirar nas escadas do senhor Victor,ou no banquinho de pedra da ourivesaria.
Kandevila
.

Anónimo disse...

Que engraçado : Eu também li, e com as capas do livro de História a esconder os romances. O meu pai chegava e perguntava onde está a miúda e a minha mãe dizia baixinho "tem estado toda a tarde a estudar." Eu ficava com remorsos, mas continuava a leitura das "Pobres Suzanas".
Nã fazia ideia que os nossos colegas também liam os mesmos romances e ficavam a suspirar lá pelos cantos ! Hoje até dá para sorrir.

Ainda não tinha lido esta pérola da Julinha. Vou ler a estorinha à minha neta. Ambas agradecemos.

Agradeço também a todos por estes momentos de coisas bonitas e de boas recordações .

Mais um raparigo lá do fundo da rua dos Sapateiros.

Anónimo disse...

Escute lá Bilozinha -
Não volte a por aqui estorinhas pros raparigos.
Estou cansada de ler a estória do Damião e do Damiau e da Joana. Por que os meus netos já ma fizeram ler praí vinte vezes e agora trazem os amiguinhos que também querem ouvir. O meu filho teve da a copiar pra papel, senão eu tinha de a aprender de cor.

Um xicoração de uma avó e de dois netos e dos vezinhos.
Maria Fernanda