domingo, 22 de agosto de 2010

A nossa colega Lucinda

5 comentários:

Lelo Brito disse...

NATIRIS

Toda uma equipa de profissionais está a postos para oferecer um serviço personalizado
e de qualidade.

ADMINISTRAÇÃO
Prof. Serge Jurasunas
Drª. Maria Lucinda Tavares da Silva
Alexandre Tavares da Silva

Natiris
DESCRIÇÃO

Produtos naturais, dietéticos, vitaminas, alimentos saudáveis de qualidade superior e comprovada, associando paralelamente acções de formação e divulgação através de
Pu publicações, seminários e conferências defendendo os princípios básicos da saúde e alimentação.

Ao longo destes 38 anos o nosso objectivo de consciencializar, despertar e alertar o consumidor para as
vantagens de uma vida e atitude mais próxima da natureza, tem sido conseguido.
Através de publicações, algumas pioneiras neste campo, sessões de formação seminários, etc., temos
acompanhado a evolução da sociedade neste objectivo de equilíbrio natural respeitando a natureza.
Se a natureza foi a nossa inspiração, a inovação, rigor e actualidade têm sido chave do sucesso. Hoje em dia, a empresa pode assumir conscientemente a sua posição de líder ...



A Natiris ganha Estatuto de PME Líder
A Natiris recebeu do IAPMEI (Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação) o estatuto de PME Líder atribuído no âmbito do Programa FINCRESCE pelo Ministério da Economia e da Inovação, que distingue empresas nacionais com perfis de desempenho superiores.

Esta distinção funciona como um selo de reputação e estímulo para que a Natiris prossiga a sua dinâmica empresarial, que contribui de forma sustentável para a criação de riqueza e bem - estar social.


Distinção pela Qualidade
do seu desempenho

Júlia Ribeiro disse...

São neste momento 20 horas e 25 minutos e acabei de escrever umas linhas sobre esta nossa colega.
Uma vez que já está apresentada. vou deixar aqui o meu texto como comentário. Creio que completa o que o amigo Lelo publicou.
Venham mais coisas que nos orgulhem das gentes da nossa terra.
Uma amiga minha, a minha melhor amiga dos tempos de meninice e adolescência é , tal como tantos de nós, uma moncorvense da Diáspora.
Penso que terá saído de Moncorvo com os pais, pelos 15/16 anos. Licenciou-se na Faculdade de Letras do Porto em Línguas e Literaturas Modernas (Português e Francês, se não estou em erro).
Era ( é ) inteligente e bonita.” Graciosa” lhe chamava o Dr. Ramiro. Nem sempre muito aplicada. Casou muito novinha. Mas a vida, de vez em quando, encarrega-se de nos dar umas sapatadas valentes. Após dois ou três anos de felicidade, a minha amiga e o marido tiveram um acidente medonho e, em segundos, tudo mudou: o marido morrera e ela estava gravemente ferida. Era ainda tão nova! E com dois filhos pequeninos. Mãe-viúva, mãe-menina, mãe-coragem.
O trágico golpe não a vergou. Ergueu-se e, com um esforço de alma e coração, tomou as rédeas da vida nas mãos e conduziu-a sem um desalento. ( Parece-me até que ainda não afrouxou ). Nem ela sabe onde foi buscar tanta força. Sabemos que venceu e é hoje uma empresária de sucesso. O que não é fácil neste país e muito menos no caso de uma mulher.
Apresento-vos a minha amiga Maria Lucinda Antunes, também cozinheira de alto gabarito, como podem ver pela capa do seu livro. (Um encanto por fora e muito mais por dentro).
Estranharam o nome da autora? É que a Maria Lucinda adoptou para sempre o nome do pai dos seus filhos .
Um grande abraço, Mulher lutadora.
Júlia

Anónimo disse...

Ignorava parte da vida da minha companheira de brincadeiras da infância.Sabia da "sapatada valente"que levara.Sabia também da força e da coragem em enfrentar a vida de novo e seguir em frente.
E venceu.Como Mulher, como Mãe e na vida profissional.
Como amiga e como moncorvense, orgulho-me de si, querida Lucindinha.
Há muito que lhe quero dar "aquele abraço". Será em breve?

Det

Anónimo disse...

A Lucinda era realmente graciosa, com o seu nariz arrebitado, um riso bonito e espertalhona. Fico contente por saber que venceu a desgraça e está tão bem na vida.
Abraços para vocês três: Lucinda, Julinha e Lelo.
Maria do Carmo

Anónimo disse...

Aquele raparigo, um niquinho de gente, com quem ainda brinquei em piqueno e para quem olhava e finjia que não nos meus quatorze, quinze anos, é hoje uma mulher importante! Fico feliz por o saber.
Obrigado Lelo e Júlia Barros. Continuem a fazer esse trabalho, para não nos esquecer-mos uns dos outros.

Um Manel da Rua de Baixo.